sexta-feira, 23 de novembro de 2012

FEILEITE 2012

Resultado do Torneio Leiteiro


Alicia Radar DLS Pantanal

O 2º Torneiro Leiteiro Interestadual de Girolando terminou na tarde desta quinta-feira na Feileite 2012, na capital paulista.

 Na categoria Vaca, o primeiro lugar ficou com a ¾ Dengosa Wildman TE Tannus, pertencente ao expositor Délcio Vieira Tannus. Ela produziu 301,790 kg/leite nos três dias de competição, atingindo média diária de 100,597 kg/leite. Com esse desempenho, Dengosa conquistou o grande campeonato do Torneiro Leiteiro da raça Girolando na Feileite 2012.

A segunda colocada foi ½ Demasia JM Monte Alverne, com produção total de 233,720 kg/leite e média de 77,907 kg/l. Demasia pertence ao expositor Jorge Luís Pereira de Souza.

Entre as fêmeas ¼, a vencedora foi Mineira Teatro FIV RPM da Santo Antônio, do expositor Humberto Renato Ferreira. A produção total foi de 161,710 kg/l e a média foi de 53,903 kg/l.

Na categoria Novilha, venceu a ½ sangue 884 Abelha Fiv LR da Cachoeira, com produção de 166,840 kg/l e média de 55,613.

Na segunda colocação ficou a ¾ sangue 791 Bolton LR da Cachoeira, com produção total de 165,060 kg/l e média de 55,020. As duas novilhas pertencem a Luciano Martins Andrade.

Entre as ¼ de sangue, quem venceu foi Alicia Radar DLS Pantanal, pertencente ao criador Denilson Lima de Souza. Ela produziu 129,300 kg/l no total e obteve média de 43,100 kg/l.

Entre as novilhas 5/8, a vitória ficou com Bacana HHF FIV do Conde, fêmea do plantel de Márcio Barretto Ribeiro, cuja produção total foi de147,840 kg/l e a média 49,280 kg/l.

FEILEITE 2012 – Raça Girolando já tem seus grandes campeões

Com 410 animais trazidos por 76 expositores, a raça Girolando teve seu julgamento encerrado no inicio da noite desta quarta-feira (21) na 6ª Feira Internacional da Cadeia Produtiva do Leite – Feileite 2012, que se estende até a próxima sexta (23) no Centro de Exposições Imigrantes em São Paulo/SP. A Associação Brasileira dos Criadores de Girolando promove durante a feira, a 19ª Exposição Interestadual de Girolando com o julgamento ocorrido a cargo do juiz Fábio Nogueira Fogaça.

½ sangue
“Folia JM Monte Alverne” (Vale Ouro TE da Silvania x 3340 JM Monte Alverne) de 57 meses venceu o campeonato vaca 4 anos e na disputa final ficou como grande campeã. A matriz foi exposta por Filipe Alves Gomes da Fazenda Volta Fria Raposo de Itaperuna/RJ.

A Fazenda Santa Luzia de José Coelho Victor de Passos/MG conquistou o reservado de grande campeonato com “Prosapia Roy Santa Luzia” (Roylane Jordan-ET x Dolores de Brasília) de 42 meses, campeã vaca três anos sênior.

¾ sangue
Entre os animais de 75% de sangue Holandês e 25% de Gir Leiteiro (3/4), destaque para “Jel R. Grande Armstead Garrafa TE” (Diamond-Oak Armstead-ET x Curiosa do R. Grande) de 41 meses, campeã vaca três anos júnior, eleita a grande campeã. Ela foi exposta por Celso Ceravolo Paoliello da Fazenda São Luiz Gonzaga de Guaxupé/MG.

Já a campeã vaca adulta, “Linalva M” (Bocaina Storm Anne Rodin-TE x Canaria JC Sta Maria) de 76 meses, foi apontada como a reservada de grande campeã. Ela veio de Aiuroca/MG, onde fica a Fazenda Morro Grande de Márcio Moraes Sampaio.

Entre os machos, a faixa de grande campeão foi para “Baby Bandoli” (Ladys-Manor Wildman-ET x Iasmin Bandoli), campeão júnior menor aos 21 meses, exposto por Luiz Carlos Bandoli Gomes de Natividade/RJ.

O Reservado foi o campeão touro jovem, de 36 meses. Trata-se de “JPZ Basileu Argeu Linda FIV” (Argeu Leduc Santa Luccia TE x Linda do SPA), exposto pelo Condomínio JPZ de Inhaúma/MG.

5/8 sangue
Com 62,5% de Holandês e 37,5% de Gir Leiteiro, os animais Girolando 5/8 tiveram como grande campeã a matriz “Hebe Lagloria” (Royal Opinion December x Dipirona Lagloria) de 45 meses, anteriormente vencedora no campeonato vaca três anos sênior. Ela foi trazida para a Feileite pelo criador Cristovão José Rabelo da Fazenda São Cristovão de Eugenopolis/MG.

Como reservada, ficou “Hilda Cacique Sertão” (Cacique Índio da Sertão x Aventura Windstar Sertão) de 41 meses, campeã vaca três anos júnior, exposta por Nazareth Dias Pereira da Fazenda do Sertão de Carmo de Minas/MG. Do mesmo criatório veio o grande campeão, título atribuído ao campeão júnior maior, denominado de “Nielssen Índio Sertão” (Índio Windstar Sertão x Arminda Zeke Sertão) de 30 meses.

O campeão júnior menor “Arpoador Lamina Aftershok FIV ENT” (Ms Atlees SHT Aftershok ET x Lama Preta Lamina Pioneiro) de 22 meses, ficou com o título de reservado de grande campeão. Ele foi exposto por Luiz Carlos Rodrigues, da Fazenda Nova Terra de Uberaba/MG.

Documento final da 1ª Conferência Nacional do Leite

Ações Prioritárias
Politica Nacional do Leite

• Garantir a defesa comercial do mercado lácteo brasileiro, por meio da renovação do acordo de cotas e preços do leite em pó argentino, incluindo os queijos e o soro de leite; estabelecimento do acordo de cotas e preços para o leite em pó, queijos e soro de leite provenientes do Uruguai; manutenção dos direitos antidumping sobre o leite em pó oriundo da União Européia e da Nova Zelândia e consolidação da TEC em 28%.

• Garantir a implementação da IN 62/2011, priorizando questões de capacitação, pagamento por qualidade, fiscalização e eficiência dos laboratórios da RBQL.

• Assegurar recursos financeiros aos municípios a fim de viabilizar as vias de escoamento da produção; melhorar o abastecimento e a distribuição de energia elétrica e internet banda larga, assegurando oferta constante e regular para produtores e indústrias.

• Assegurar recursos financeiros para a execução dos Programas Sanitários e estruturação de serviços municipais e estaduais de inspeção sanitária de produtos de origem animal, visando a adesão ao SISBI/SUASA, de forma a garantir a qualidade e segurança do alimento nacional
• Revisar os marcos regulatórios do setor lácteo, em especial o RIISPOA.

• Viabilizar a utilização dos créditos do PIS/COFINS para custeio e investimento em programas de capacitação de produtores, modernização do parque industrial.

• Revisar e ampliar as políticas de apoio à comercialização, aquisição de alimentos e alimentação escolar, observando as peculiaridades regionais.

• Fortalecer o processo de inovação tecnológica para a cadeia produtiva do leite garantindo recursos orçamentários, sem cortes, e a criação de um fundo setorial específico.

• Reestruturar, fortalecer e ampliar o sistema brasileiro de assistência técnica e extensão rural público e privado, estabelecendo convênios e parcerias com entidades afins (SENAR, SEBRAE, EMBRAPA, OEPAS, EMATER, outras instituições de ATER, SDC/MAPA, MDA, universidades e Indústrias de laticínios) voltadas à capacitação e assistência técnica e gerencial da cadeia produtiva do leite e derivados.

• Criar sistema unificado de dados e estatísticas para fundamentar tomadas de decisão.

• Estabelecer ações compensatórias aos produtores de leite devido aos custos ambientais.

• Promover o associativismo e cooperativismo no setor lácteo com o intuito de fomentar a organização dos produtores e trabalhadores.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

1° Conferência Nacional do Leite


Ao longo dos últimos meses, a subcomissão do leite realizou 10 audiências em vários Estados para discutir temas como:
 
  • A necessidade de preço justo para os produtores;
  • Combate aos cartéis na produção dos insumos lácteos;  
  • Estabelecimento de mecanismos de proteção do mercado interno de importação de produtos subsidiados;
  • Redefinição da carga tributária sobre leite in natura.
 
Após essas audiências foi criado a 1ª Conferência Nacional do Leite, que foi realizado nos dias 6,7 e 8 de novembro, em Brasília, e reuniu mais de 150 pessoas.
  
Na primeira etapa foram formados grupos temáticos, que debateram as necessidades do setor simultaneamente na Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), na Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e na Embrapa.
 
Na segunda Etapa foi realizado um plenário na Embrapa para definir o texto final da conferência, de acordo com o que foi abordado na primeira etapa.
 
Na ultima Etapa ocorreu na Câmara a votação do texto final que foi entregue para os ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, e do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas.
 
Os participantes foram os representantes de cooperativas, indústria, comércio, governo, entidades de pesquisa e extensão e pecuaristas que tiveram uma missão de apresentar um relatório que servirá como base para a elaboração da Política Nacional do Leite.
 
O evento buscou acompanhar, avaliar e propor medidas sobre a produção de leite no mercado nacional e fomentar a criação de um marco regulatório para o setor.
 
As prioridades para o debate nos grupos temáticos durante a conferência foram:
  • Sanidade animal e vigilância sanitária, 
  •  Defesa comercial e mercado interno, 
  • Custo de produção versus preço justo,
  • Assistência técnica e extensão rural,
  • Pesquisa e desenvolvimento,
  • Políticas de crédito,
  • Infraestrutura e logística,
  • Tributação e Legislação.
O deputado federal Alceu Moreira, responsável pela redação da política nacional para o setor e um dos organizadores do evento.
 
Outra ação importante que deve sair da conferência é a formação do Conselho Nacional do Leite. “Este conselho será instituído pelo setor privado, com sede em Brasília, que deverá cobrar do governo todas as condições necessárias para a produção de um leite de qualidade.
 
O Conselho Nacional do Leite, órgão de caráter permanente para atuar em parceria com todos os elos envolvidos na cadeia produtiva da bovinocultura de leite.
 
A cadeia produtiva do leite envolve 1,3 milhão de produtores e movimenta R$ 50 bilhões por ano. No último ano a produção nacional ultrapassou a marca dos 32 bilhões de litros de leite.